domingo, 18 de novembro de 2007

FAVORITOS

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

A origem do conto data do período em que não havia a escrita. As histórias eram narradas oralmente ao redor de fogueiras, geralmente à noite – características que aumentavam o suspense, hoje um elemento importante neste tipo de narrativa.

Estabelecida a escrita, o conto passa por duas fases, que compreendem desde as histórias bíblicas até o surgimento da imprensa, que alavanca a produção e a modernização do conto. É no século 19 que surge nomes como os irmãos Grimm e Machado de Assis, entre outras dezenas de autores.

Hoje, a publicação de um conto está mais democrática, graças à internet. Experimente escrever “contos de terror” no Google e você verá do que falo. No entanto, encontrar material de qualidade e publicado periodicamente é difícil.

Por este motivo que nos meus favoritos está o Contos Ancestrais, do carioca Arthurius Maximus – sim, aquele louco (rs) citado por aqui na última quarta-feira, responsável por cinco blogs. Há um ano no ar, o Contos Ancestrais apresenta ao leitor contos e crônicas de terror e suspense. Que, se tudo der certo, poderão estar reunidos em um livro no futuro.

Aliás, no mês passado, o blog comemorou seu aniversário em grande estilo. Realizou um concurso de contos que teve uma grande adesão e revelou outros talentos, como o vencedor da promoção, por exemplo.

Desta forma, não poderia deixar de entrevistar o Arthurius para conhecer melhor a história do Contos Ancestrais. O resultado você confere abaixo.

1) Quando o blog foi criado, Arthurius?

No ano passado, em outubro.

2) E por que tu o criastes?

Após a criação do blog Um País Chamado UATI, e com a excelente repercussão dos textos, resolvi criar o Contos Ancestrais como teste para verificar a aceitação e análise de qualidade da minha escrita, visando um futuro livro.

3) E de onde vem a inspiração para os contos que tu publica no blog?

Ahh! A inspiração vem de anos de estudos religiosos, em várias teologias: Budismo, cardecismo (doutrina), cristianismo, islamismo, cultos pagãos e muito leitura sobre ocultismo. Pesadelos também são uma grande fonte de inspiração (rs). Filmes e relatos de ex-combatentes. Além de literatura sobre "serial killers". Mas ressalto que não sou religioso. Sou agnóstico. Acredito que o bem e o mal existem, mas estão em luta dentro de nós. A religião é algo criado pelos homens e por eles manipulada ao seu bel prazer. Por isso, muitos dos meus personagens são padres ou sacerdotes. Pois o mal pode habitar em qualquer um de nós. Basta que deixemos a porta sem vigilância.

4) Quanto tempo tu reservas para elaboração dos textos e para administrar o blog?

Antes, publicava um texto em dias alternados. Agora, publico um pouco menos, em média dois ou três textos por semana. Da hora que sento pra escrever até a hora que me levanto, em média três a quatro horas de trabalho por texto. Os comentários são moderados conforme vão chegando.

5) Para finalizar, fale dos teus planos para o futuro.

O plano mais imediato é a realização do concurso de aniversário (já realizado no mês de outubro). Após isso, tentar a publicação de um livro com alguns contos inéditos e alguns do blog e um livro contanto a estória do personagem "A Sentinela". Um dos contos mais bem aceitos pelo pessoal.

Queria deixar um agradecimento aos blogueiros que me ajudaram no início de tudo, já que meus conhecimentos de html eram "um lixo", sem eles, eu teria desanimado a muito tempo. E, é claro, aos leitores. Esses sim, a verdadeira alma e a mola que impulsiona um blog. Eles são a tinta da caneta de quem escreve. Sem eles, nada faz sentido.


Em tempo: Clique aqui para ler a entrevista do último domingo (11), com Max Reinert, do Pequeno Inventário de Impropriedades.

1 comentário(s):

Arthurius Maximus disse...

Quero agradecer ao Gustavo pela extrema gentileza que sempre demonstrou. E desejar mais do sucesso em tudo o que fizer: Realização e felicidade.

Um abraço a você e a todos os leitores do D Bituca.

Postar um comentário

Que bom que neste post algo lhe despertou a vontade de deixar um comentário.

Elogios, críticas e sugestões são sempre bem vindas. Só mantenha a elegância no uso das palavras, ok?