sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Comunicação nas mídias sociais não é como receita de bolo

#posdigital on Twitpic
Crédito: Vinícius Carvalho

Este foi um dos diagnósticos possíveis de ser extraído da entrevista que a terceira turma da Especialização em Jornalismo Digital da Pontifícia Universidade Católica do RS (PUCRS) fez com três profissionais que trabalham com mídias sociais, para a cadeira homônima conduzida pela jornalista Bárbara Nickel.

O bate papo ocorreu no dia 4 de agosto, via Twitter, com a Nanni Rios (LePM Editores), o Eduardo (W3Haus) e a Nívia (O Globo). E, em muitos momentos, navegou na busca por fórmulas prontas, como se a comunicação nas mídias sociais permitisse. E foi justamente isso que o trio desmitificou [ou tentou, pelo menos].

Um exemplo foi um questionamento sobre o tipo de promoção que gera mais retorno, respondido pelo Eduardo com dois caminhos a seguir - o que, na minha opinião, dependerá do que o cliente busca.


Outro exemplo veio em uma resposta da Nanni a uma pergunta minha sobre qual deve ser o perfil do profissional que trabalha com mídias sociais. Ela respondeu citando a necessidade que tinha, por exemplo, a LePM Editores:


E acrescentou:

E justamente por ter como principal característica o diálogo é que as mídias sociais são um universo aberto aos jornalistas, profissionais teoricamente capacitados para produzir ou selecionar conteúdo relevante e interessante, como destacou a Nanni:



A curadoria de conteúdo também foi abordada pelo Eduardo:




Mas a conversa não rendeu uma fórmula pronta sequer? Para mim, esta abaixo, a melhor que poderíamos receber: